Baltimore: aberta passagem para algumas barcaças e rebocadores

HomeInternacional

Baltimore: aberta passagem para algumas barcaças e rebocadores

Artigo publicado originalmente em inglês

O proprietário e o gestor do navio porta-contentores que chocou com um pilar de suporte há uma semana estão a tomar medidas legais para limitar a responsabilidade.

PUBLICIDADE

A Guarda Costeira dos EUA abriu um canal temporário para dar acesso aos navios envolvidos na remoção dos destroços da ponte Francis Scott Key, que ruiu, em Baltimore, Maryland.

Segundo as autoridades, a abertura do canal faz parte de uma abordagem faseada para permitir a passagem dos navios para o porto principal. Está também prevista a passagem pelo canal de algumas barcaças e rebocadores que ficaram retidos no porto de Baltimore desde a derrocada.

Entretanto, as equipas continuam a trabalhar para remover o aço e o betão no local da queda da ponte no rio Patapsco, que ocorreu quando o Dali perdeu potência e embateu numa coluna de suporte a 26 de março.

As autoridades acreditam que seis trabalhadores morreram na queda, incluindo dois cujos corpos foram recuperados na semana passada.

Entretanto, o proprietário e o gerente do Dali apresentaram conjuntamente uma petição em tribunal para limitar a sua responsabilidade legal pelo desastre.

O pedido conjunto visa limitar a responsabilidade das empresas a cerca de 43,6 milhões de dólares (40,5 milhões de euros). Estima-se que o navio,  «que transportava carga no valor de mais de 1,1 milhões de dólares (1 milhão de euros), valha só por si até 90 milhões de dólares (83 milhões de euros). A estimativa também deduz milhões em custos de reparação e custos de salvamento.

A petição de “limitação de responsabilidade” das empresas é um procedimento de rotina, mas importante para os casos litigados ao abrigo do direito marítimo americano. Um tribunal federal de Maryland decidirá, em última instância, qual é a responsabilidade e qual o montante devido.

À medida que prosseguem os esforços de desmantelamento e remoção dos destroços, o incidente veio agravar as preocupações com as perturbações na cadeia de abastecimento mundial.

A ponte Francis Scott Key fica do outro lado da entrada do porto de Baltimore, que é um porto crucial para a exportação de veículos nos EUA. O porto recebeu mais de 47 milhões de toneladas de carga estrangeira em 2023.

A Administração de Pequenas Empresas dos EUA abriu dois centros na zona para ajudar as empresas a obter empréstimos para as ajudar a suportar as perdas causadas pelas perturbações decorrentes da queda da ponte.

Yvette Jeffery, porta-voz do gabinete de recuperação de catástrofes da agência, disse que as empresas afetadas podem receber empréstimos no valor de 2 milhões de dólares. Os efeitos podem ir desde desafios na cadeia de abastecimento até à diminuição do tráfego pedonal nas comunidades que dependiam fortemente da ponte, acrescenta.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS