ESG ao investir não é prioridade para multimilionários brasileiros

HomeEconomia

ESG ao investir não é prioridade para multimilionários brasileiros

Uma parcela muito pequena dos brasileiros multimilionários coloca dinheiro nos chamados investimento de impacto (ESG), aquele em que há um objetivo claro de melhoria social ou ambiental, além do retorno financeiro.

Isso não chega a ser novidade, nem uma boa notícia do ponto de vista da repercussão positiva que esse tipo de alocação proporciona.

Um levantamento inédito mostrou que apenas 19% dos gestores de grandes fortunas entrevistados usam critérios ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança) ao fazer a alocação de parte dos recursos.

Mas uma boa novidade é que mais da metade (61%) dos entrevistados da pesquisa já conhece as diferentes variações de investimento de impacto e ESG e usam esse conhecimento em suas tomadas de decisão.

Prioridade por desempenho

O diagnóstico integra um levantamento que será divulgado nesta quarta-feira (3) em um evento em São Paulo, pela Sitawi Finanças do Bem, uma organização sem fins lucrativos fundada em 2008 que desenvolve infraestrutura financeira para a economia de impacto.

A pesquisa sobre investimentos e filantropia contou com entrevistas a 28 gestores de patrimônio, single e multi family offices, conselheiros e outros assessores não financeiros.

Todos trabalham com carteiras ou patrimônio de mais de R$ 50 milhões. Nessa amostra, 58% dos entrevistados apoiam a gestão de patrimônios de mais de R$ 1 bilhão.

“Vemos que ainda há uma clara priorização do desempenho financeiro das estratégias de investimento”, afirmou Leonardo Letelier, presidente executivo e fundador da Sitawi.

A maioria dos entrevistados (71%) espera obter resultados iguais ou até acima dos obtidos na abordagem tradicional, apesar das suas motivações de Responsabilidade Social/Ambiental (86%).

“Isso é muito comum. Se perguntar para alguém se ele quer fazer o bem ao mundo, a resposta vai ser sim. Mas se perguntar se a pessoa aceita abrir mão de retorno para fazer o bem, a maioria vai responder que não. Poucas são as oportunidades que é possível ter tudo. Como tudo na vida, também há ‘trade-off’ em investimento de impacto”, diz Letelier.

“Advogamos que as pessoas entendam esse ‘trade-off’ e escolham o investimento de impacto mesmo assim.”

“Notamos que já existem sinais de um crescimento gradual de abordagem de ‘investimento impacto-consciente’”, afirma Letelier.

Mais da metade (52%) dos respondentes disse incluir abordagens de impacto socioambiental (“Finance First” ou de “Impact First”) em seus portfólios.

Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS