Funcionários públicos da Argentina tomam ruas em protesto contra demissão em massa do governo Milei

HomeInternacional

Funcionários públicos da Argentina tomam ruas em protesto contra demissão em massa do governo Milei

Cerca de 15 mil trabalhadores foram contratados da administração nacional foram afetados

Luis ROBAYO / AFP
Trabalhadores do Estado protestam em frente à Secretaria do Trabalho da Nação contra as demissões no estado, em Buenos Aires, no dia 3 de abril de 2024

Funcionários públicos da Argentina protestaram nesta quarta-feira (3) contra as demissões em massa do governo de Javier Milei, que afetaram 15.000 trabalhadores contratados da administração nacional, admitiu o governo no âmbito de suas medidas de ajuste. Trabalhadores demitidos tentaram entrar nos locais de trabalho, onde foi montada uma forte operação policial para impedir seu acesso. “Não temos outra alternativa além de resistir organizados e sustentar esta luta porque sabemos que isto é arbitrário”, disse na assembleia improvisada Érica Almeida, delegada da ATE, no hall de acesso aos escritórios do Instituto Nacional contra a Discriminação.  Em meio a cartazes e cânticos, alguns enfrentaram a polícia na porta do Ministério do Trabalho.

cta_logo_jp

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

A maioria das demissões foi notificada durante a Semana Santa, cujo feriado se estendeu até a terça-feira na Argentina, informou a Associação de Trabalhadores do Estado (ATE), que convocou uma plenária urgente para definir ações. Na semana passada, Milei havia anunciado que planejava reduzir o quadro da administração pública nacional em 70.000 postos de trabalho de um total de pouco mais de 332.000, segundo o último relatório do Instituto de Estatísticas e Censos (INDEC), publicado em fevereiro. “O número final de contratos que não foram renovados beira os 15.000, como parte do trabalho que estamos fazendo para reduzir os gastos do Estado”, disse o porta-voz da Presidência, Manuel Adorni, durante coletiva de imprensa. As demissões afetaram trabalhadores com contratos que eram renovados periodicamente e que não foram atualizados após os vencimentos de março.

Milei alega que essas demissões fazem parte do plano para chegar ao déficit zero em 2024. O ultraliberal defede cortes orçamentários, por um lado, e à liquidação dos gastos por outro, para conter uma inflação que beira os 280% ao ano, com uma queda vertiginosa do poder aquisitivo e do consumo. A meta presidencial de déficit zero supera inclusive as exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI), com o qual a Argentina tem uma dívida de US$ 44 bilhões (R$ 223 bilhões, na cotação atual).

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS