Funcionários públicos realizam atos contra demissões na Argentina

HomeJustiça

Funcionários públicos realizam atos contra demissões na Argentina

Manifestantes se reuniram na Secretaria do Trabalho e outros órgãos do governo; houve confronto com a polícia

Integrantes de um sindicato de funcionários públicos na Argentina realizaram manifestações nesta 4ª feira (3.abr.2024) contra as demissões no setor. Segundo a ATE (sigla em espanhol para Diretoria Nacional da Associação de Trabalhadores do Estado), o governo de Javier Milei dispensou mais de 11.000 pessoas de órgãos federais.

Os manifestantes se reuniram em prédios da Secretaria do Trabalho, do Inadi (Instituto Nacional contra a Discriminação, Xenofobia e Racismo) e da Anses (Administração Nacional da Previdência Social). Polícias federais cercaram os locais.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram que os funcionários e integrantes do sindicato entraram em confronto com a polícia ao tentarem entrar na secretaria e no instituto nacional.

Assista (2min57s):

Outro registro divulgado nas redes sociais mostra diversas pessoas do lado de fora de uma sede da Anses. Segundo o Clarín, o local estava fechado porque uma assembleia sobre as demissões estava sendo realizada. O registro foi compartilhado por Milei no X (ex-Twitter).

Em sua conta no X, a ATE criticou a presença das autoridades argentinas nas sedes federais. “O dia começa e já vemos as forças de segurança mais ocupadas com a intimidação dos trabalhadores do que com suas próprias funções, como o combate ao tráfico de drogas”, disse o sindicato.

Também em publicação na rede social, o secretário-geral da ATE, Rodolfo Aguiar, divulgou vídeo mostrando diversos policiais enfileirados e segurando escudos.

“Eles [governo argentino] estão enchendo as repartições públicas de policiais. Não há dinheiro para comprar comida, não há dinheiro para comprar remédios, mas há dinheiro para reprimir”, disse.

Segundo o La Nación, a ministra de Segurança, Patricia Bullrich, instituiu uma operação especial para que as forças de segurança impedissem a entrada de manifestantes nos prédios federais.

GOVERNO CONFIRMA DEMISSÕES

O porta-voz da Presidência da Argentina, Manuel Adorni, afirmou a jornalistas nesta 4ª feira (3.abr) que cerca de 15.000 contratos públicos não foram renovados.

“Temos falado sobre isso repetidamente, não há muito mais a dizer, é parte do trabalho que estamos fazendo para reduzir o Estado. Funcionários que não são necessários, que não continuam a receber uma renda do Estado”, disse.

GREVE NA EDUCAÇÃO

A Ctera (Confederação de Trabalhadores da Educação da República Argentina) convocou uma greve nacional de docentes para 5ª feira (4.abr). Dentre as reivindicações estão a restituição do piso salarial, investimento em programas educacionais e aumento dos salários de professores.

Segundo comunicado, o sindicato também lançará uma “campanha de assinaturas, exigindo que o Governo Nacional garanta a Educação Pública em todo o país”.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS