Na ONU, EUA alertam Irã para não retaliar ataque na Síria

HomeCongresso

Na ONU, EUA alertam Irã para não retaliar ataque na Síria

Ataque aéreo atingiu um edifício anexo à Embaixada do Irã em Damasco; presidente iraniano diz que investida terá resposta

Os Estados Unidos alertaram o Irã para não retaliar o ataque aéreo que atingiu um edifício anexo à Embaixada do Irã em Damasco, capital da Síria, na 2ª feira (1º.abr) e deixou 8 mortos. Em reunião na 3ª feira (2.abr.2024) do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), o representante norte-americano disse que seu país não recebeu nenhum aviso prévio sobre a investida. 

Os governos sírio e iraniano culparam Israel pelo ataque. As autoridades israelenses ainda não se pronunciaram sobre o caso. Na 3ª feira (2.abr), o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que o ataque “não ficará sem resposta”. 

O representante dos EUA no Conselho de Segurança da ONU, Robert Wood, declarou que o Irã e grupos parceiros “precisam evitar a escalada das tensões na região”. 

Ele afirmou que os norte-americanos alertaram, repetidas vezes, que o Irã não deveria “aproveitar” o conflito entre Israel e o Hamas para ampliar sua “guerra por procuração” contra os israelenses e seus aliados, entre eles os EUA. “O Irã ignorou esse aviso”, declarou Wood. 

Segundo o norte-americano, seu país não tem confirmação de que o edifício que foi atingido em Damasco pertencia à Embaixada iraniana. “Qualquer ataque confirmado a uma propriedade que seja uma instalação diplomática seria motivo de preocupação para os Estados Unidos”, disse. 

O Irã enviou na 2ª feira (1º.abr) enviou uma carta ao Conselho de Segurança da ONU), pedindo que o órgão condene o ataque. No documento (íntegra, em inglês – PDF – 2 MB), o país fala em “flagrante violação” de normas e princípios fundamentais do direito internacional, da Carta das Nações Unidas e do princípio da inviolabilidade das instalações diplomáticas e consulares.  

ONU CONDENA ATAQUE

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou o ataque. Em comunicado, o porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, disse que “o secretário-geral reafirma que o princípio da inviolabilidade das instalações e do pessoal diplomático e consular deve ser respeitado em todos os casos, de acordo com o direito internacional”. 

Guterres pediu que “todos os envolvidos” exerçam “a máxima contenção e evitem uma nova escalada” das tensões na região. O secretário-geral da ONU declarou “que qualquer erro de cálculo poderá levar a um conflito mais amplo numa região já volátil, com consequências devastadoras para os civis”. 

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS