Pimenta nega interferência de Janja no caso Robinho

HomeEleições

Pimenta nega interferência de Janja no caso Robinho

Ministro afirma que a primeira-dama foi alvo de uma fake news “covarde” e diz aguardar o pedido de desculpas

O ministro-chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social), Paulo Pimenta, disse que o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Francisco Falcão “desmentiu” que a primeira-dama Janja Lula da Silva tenha influenciado na prisão do ex-jogador Robinho.

“Segundo o ministro, a conversa nunca existiu e ele não conhece e nunca falou com ela. Aguardo os desmentidos e pedidos de desculpas de todos(as) que durante todo o dia de hoje [2ª feira (1º.abr.2024)] de forma covarde divulgaram essa fake news”, declarou Pimenta em seu perfil no X (ex-Twitter).

A informação de que Janja teria “pressionado” o magistrado pela prisão do atleta foi publicada inicialmente pelo jornal O Globo.

O caso motivou uma notícia-crime, de autoria da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), enviada ao MPF (Ministério Público Federal). A congressista pede a investigação contra Janja pela suposta interferência.

Pimenta disse que a deputada acionou a Justiça para apurar uma “mentira” compartilhada pelo próprio grupo político dela.

Janja também se manifestou sobre a suposta interferência. Ela declarou que não “realizou qualquer ligação” e que não conhece o ministro.

O Poder360 entrou em contato com o STJ para pedir um posicionamento do ministro Francisco Falcão, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto.

CASO ROBINHO

Em 2017, Robinho foi condenado a 9 anos de prisão em regime fechado pelo crime de estupro pela Justiça da Itália. Investigações indicam que, em 2013, ele e 5 amigos teriam embriagado uma jovem albanesa de 23 anos em uma boate em Milão. A jovem teria sido estuprada coletivamente pelos 6.

O Tribunal de Apelação de Milão confirmou a condenação em 2020, mas como cabia recurso, Robinho permaneceu em liberdade e voltou ao Brasil. Em janeiro de 2022, a Corte de Cassação da Itália negou o recurso apresentado pela defesa e ele foi condenado a 9 anos de prisão. Por ser o órgão máximo da Justiça italiana, não há possibilidade de reverter a decisão.

Em 20 de março, o STJ decidiu pelo cumprimento imediato da sentença do ex-atleta no Brasil.

O ex-atleta preso em 21 de março pela PF (Polícia Federal) em Santos (SP). Cumpre pena na penitenciária de Tremembé, interior de São Paulo.

Fonte: Poder 360

COMMENTS