Preço do gás natural no Brasil deve cair 13,8% em 2024, projeta Cbie

HomeCongresso

Preço do gás natural no Brasil deve cair 13,8% em 2024, projeta Cbie

Aumento da oferta é o principal desafio no mercado nacional por causa da alta reinjeção e da falta de infraestrutura; biometano deve ficar competitivo a partir de 2026

O preço do gás natural no Brasil deve cair 13,8% em 2024 na comparação com o ano passado. O valor médio neste ano deve ser de US$ 10,92 por milhão de BTUs, medida que equivale 26,8 m³ (metros cúbicos). A projeção é do Cbie (Centro Brasileiro de Infraestrutura) e consta na nova edição do relatório “Perspectivas para o Setor Energético”, lançado nesta 4ª feira (3.abr.2024). Eis a apresentação com os destaques do estudo (PDF – 2 MB).

A queda deve ser puxada pelos preços internacionais. Na Europa, o gás deve ficar em US$ 9 por milhão de BTUs, valor 38% inferior à média de 2023. De acordo com Bruno Pascon, sócio da Cbie Advisory, isso se deve a maior oferta global, recomposição de estoques e o inverno europeu mais brando, o que faz a pressão da demanda ser menor.

No Brasil, foram considerados os novos contratos de fornecimento firmados pela Petrobras, o custo da importação da Bolívia e a demanda interna. A estimativa do Cbie considerando esses fatores é a de que o preço médio do gás natural siga em trajetória de queda e saia da casa dos 2 dígitos a partir de 2027 e 2028. 

“Aqui no Brasil não vemos uma pressão de preços muito grande. O que vai ditar o ritmo de preços é o cenário sobretudo na Europa e Ásia, além da forma que a Petrobras precifica isso no país. No mercado interno a demanda está estável, sem grande despacho de térmicas”, afirmou Pascon.

O grande desafio para o mercado interno, segundo Pascon, é o aumento da oferta. A maior abundância de gás no Brasil poderia reduzir os preços nacionais, mas isso esbarra em 2 problemas: a alta reinjeção do gás natural nos poços e a falta de estrutura para escoamento da produção, sobretudo no pré-sal.

Em 2023, o Brasil produziu 149,8 milhões de m³ de gás por dia. Foram reinjetados 78,8 milhões de m³/dia, ou seja 52% do total. Parte significativa disso, segundo Pascon, se justifica pela estratégia de usar esse gás para extrair mais óleo dos campos, uma técnica mais barata e rentável para as petroleiras. No entanto, a falta de gasodutos para trazer esse gás para a costa também pesa.

“Qualquer país que tem percentual grande de gás associado ao petróleo, que aqui é de 80%, acaba reinjetando mais gás. É mais barato do que colocar um produto químico para ajudar na extração de óleo. Mas historicamente nesses países o nível de reinjeção nunca ultrapassou 30% ou 35%. Isso no Brasil se deve aos gargalos de infraestrutura”, explica. 

Caso o Brasil tivesse uma malha eficiente para escoar o gás do pré-sal, por exemplo, poderia incrementar a oferta nacional de 15 milhões a 20 milhões de m³/dia. Há projetos para isso, como o gasoduto denominado Rota 3, mas a execução está atrasada e a entrega deve, no melhor dos cenários, deve ficar para o fim 2024.

“A produção bruta de gás natural no Brasil vai dobrar até 2033. Se isso acontecer e o país não investir em capacidade de escoamento, esse volume de reinjeção vai aumentar”, alerta o sócio do Cbie.

BIOMETANO

O relatório indica também que o biometano terá preços competitivos com o gás natural a partir de 2026. Atualmente, o gás renovável custa de US$ 14 a US$ 15 milhão de BTUs. Nos próximos anos, deve ficar na faixa de US$ 8 a US$ 9. Diante deste cenário, o Cbie avalia que o combustível será um dos carros-chefes da transição energética no Brasil.

Atualmente, a maior parte produção de biometano é concentrada nas cidades, a partir de aterros sanitários. Trata-se de um processo mais caro do que a geração a partir de resíduos agrícolas, como bagaço de cana, por exemplo. “Conforme a produção sair da cidade e ir para o campo, o preço tende a cair, porque é uma tecnologia mais barata, de biodigestor”, disse Pascon.

Ainda assim, será necessário resolver o deficit de infraestrutura de escoamento. A diferença é que no caso do biometano, o custo é menor uma vez que os locais de produção estarão mais perto dos consumidores e não em alto mar.

O biometano é obtido a partir da purificação do biogás (produzido pelo processo de decomposição de matéria orgânica) e tem composição similar à do gás natural. Atualmente existem 20 plantas de biometano no país, sendo que só 6 comercializam o gás. Mas o setor projeta crescimento de 600% da produção até 2029.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS