TRE-PR retoma julgamento que pode cassar mandato de Moro nesta 4ª

HomeCongresso

TRE-PR retoma julgamento que pode cassar mandato de Moro nesta 4ª

Caso começou a ser julgado em 1º de abril; o relator votou contra a cassação e inelegibilidade do senador e ex-juiz da Lava Jato

O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná retoma nesta 4ª feira (3.abr.2024) a análise de duas ações que pedem a cassação do mandato e a inelegibilidade do senador e ex-juiz da operação Lava Jato, Sergio Moro (União Brasil-PR).

O caso começou a ser julgado em 1º de abril com as sustentações orais e voto do relator, juiz Luciano Carrasco Falavinha. O magistrado se manifestou contra a cassação e inelegibilidade de Moro e de seu suplente, Luiz Felipe Cunha. Em mais de duas horas de voto, disse não ter provas suficientes que justifiquem a perda do mandato.

A expectativa é um placar apertado a favor da cassação de Moro, segundo apurou o Poder360. No caso de perda de mandato, Moro poderá recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para se salvar de uma eventual cassação.

A sessão será retomada nesta 4ª feira (3.abr) com o voto do juiz José Rodrigo Sade, que assumiu vaga no tribunal em 6 de março por indicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele pediu mais tempo para análise no processo na última sessão.

Eis a ordem de votação a partir disso:

  • juíza Cláudia Cristina Cristofani;
  • juiz Julio Jacob Junior;
  • juiz Anderson Ricardo Fogaça;
  • juiz Guilherme Frederico Hernandes Denz; e
  • juiz Sigurd Roberto Bengtsson – presidente do TRE-PR.

O presidente do TRE-PR reservou 3 sessões para o julgamento da ação. A previsão é que a análise seja concluída em 8 ou 9 de abril.

ENTENDA

As ações contra Moro foram protocoladas pelo PL (Partido Liberal) do Paraná e pela Federação Brasil da Esperança, formada pelos partidos PT (Partido dos Trabalhadores), PC do B (Partido Comunista do Brasil) e PV (Partido Verde).

As siglas indicam prática de abuso de poder econômico, caixa 2, uso indevido dos meios de comunicação e irregularidade em contratos. Pedem a cassação de Moro e sua inelegibilidade por 8 anos.

Os partidos acusam Moro de abuso de poder econômico por supostamente iniciar uma campanha como pré-candidato à Presidência da República antes de se tornar candidato ao Senado pelo Paraná.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS