UE condena ataque à Embaixada do Irã na Síria

HomeJustiça

UE condena ataque à Embaixada do Irã na Síria

Em comunicado, bloco fala em evitar escalada “adicional” no conflito do Oriente Médio; ofensiva deixou ao menos 8 mortos

A União Europeia condenou nesta 4ª feira (3.abr.2024) o ataque aéreo que atingiu um edifício anexo à Embaixada iraniana em Damasco, capital da Síria, na 2ª feira (1º.abr) e deixou 8 mortos. O Irã atribuiu a responsabilidade do atentado a Israel, que não se pronunciou sobre o caso.

Em nota, o porta-voz de Assuntos Externos da União Europeia, Peter Stano, afirmou que o bloco reprova o ataque à instalação diplomática e as “supostas” causalidades. Ele destacou que, dada a elevada tensão no Oriente Médio, é “crucial” evitar qualquer escalada “adicional”.

“O princípio da inviolabilidade das instalações diplomáticas e consulares e do pessoal deve ser respeitado em todos os casos e em todas as circunstâncias, de acordo com o direito internacional”, lê-se no comunicado.

Dentre os mortos do ataque ao edifício em Damasco, está o general da Guarda Revolucionária do Irã, Mohammad Reza Zahedi. Segundo a agência estatal síria Sana, a ofensiva também causou a destruição de outros prédios na região.

Em carta enviada ao Conselho de Segurança da ONU (íntegra, em inglês – PDF – 2 MB) na 2ª feira (1º.abr), o Irã fala em “flagrante violação” de normas e princípios fundamentais do direito internacional, da Carta das Nações Unidas e do princípio da inviolabilidade das instalações diplomáticas e consulares.

Os governos sírio e iraniano culparam Israel pelo ataque. Na 3ª feira (2.abr), o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que o ataque “não ficará sem resposta” e que Tel Aviv “terá de enfrentar a força crescente da frente de resistência [palestina] e também o ódio e a aversão das nações livres à sua natureza ilegítima”.

ONU CRITICA ATAQUE

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou o ataque. Em comunicado, o porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, disse que “o secretário-geral reafirma que o princípio da inviolabilidade das instalações e do pessoal diplomático e consular deve ser respeitado em todos os casos, de acordo com o direito internacional”.

Guterres pediu que “todos os envolvidos” exerçam “a máxima contenção e evitem uma nova escalada” das tensões na região. O secretário-geral da ONU declarou “que qualquer erro de cálculo poderá levar a um conflito mais amplo numa região já volátil, com consequências devastadoras para os civis”.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS