Último álbum de Beyoncé ensina a lidar com exclusão no trabalho

HomeEconomia

Último álbum de Beyoncé ensina a lidar com exclusão no trabalho

Em março, a renomada cantora, compositora e empresária Beyoncé lançou seu novo álbum, o “Cowboy Carter”. No entanto, este projeto representa muito mais do que mais um lançamento musical de uma grande estrela. E é um exemplo sobre como lidar com exclusão no local de trabalho.

Como Beyoncé escreveu em uma postagem no Instagram ao apresentar o “Cowboy Carter”, o álbum “surgiu de uma experiência” em que ela “não se sentiu bem-vinda”. Esta foi, sem dúvida, uma alusão à reação que ela enfrentou após sua apresentação com as Chicks no Country Music Association (CMA) Awards em 2016.

Muitos fãs de música country ficaram indignados com a participação dela, reclamando de tudo, desde suas posições políticas até seu traje e falta de conexão com o gênero. Não importa que ela tenha sido criada em Houston, que seus pais sejam do Texas e do Alabama, e nem que ela e as Chicks tenham gerado os 15 minutos de maior audiência na história do CMA Awards. Também não importa que Justin Timberlake, um artista pop e R&B (branco), tenha sido universalmente elogiado por sua participação na premiação no ano anterior.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Continua depois da publicidade

Beyoncé, que ganhou mais Grammys do que qualquer outro artista na história, mas nunca recebeu o cobiçado prêmio de Álbum do Ano, conhece bem o preconceito e as críticas. Como ela afirmou no iHeart Radio Awards no início deste mês: “Ser inovador é enxergar o que todos acreditam ser impossível e significa ser frequentemente criticado, o que… será um teste para sua força mental”. Mas a reação à sua participação no CMA Awards teve um sabor diferente. Sejamos claros: pareceu racismo. E Beyoncé não teve pressa para responder.

Como estudiosos e profissionais de diversidade, equidade e inclusão, acreditamos que sua história ofereça lições importantes para trabalhadores que enfrentam tratamento de exclusão semelhante em seus locais de trabalho. Segundo uma pesquisa de 2023 da EY, 75% dos entrevistados afirmam ter caído nessa categoria em algum momento. Embora poucas pessoas no mundo tenham o poder e a plataforma de Beyoncé, todos podemos nos beneficiar ao explorar a anatomia de sua exclusão, a variedade de respostas disponíveis para ela e a eficácia do caminho que ela finalmente escolheu seguir.

Sistemas de desigualdade históricos

Leis e normas que anteriormente excluíam pessoas de grupos marginalizados de certos espaços – seja da música country ou do gabinete executivo – perpetuam o problema ao normalizar a homogeneidade e consolidar atitudes sobre quem pertence ou não a esses espaços. Dessa forma, o local de trabalho se torna uma mina terrestre de regras e expectativas invisíveis que afetam o potencial sucesso de pessoas que não se enquadram nos moldes tradicionais.

Preconceito, discriminação e ódio

Isso pode variar desde a recusa em socializar com alguém até o uso de linguagem de ódio ou difamação. No ambiente de trabalho, isso pode ocorrer na forma de um colega de trabalho respeitar menos uma mulher líder ou humilhar colegas por diversos motivos pessoais ou de identidade.

Continua depois da publicidade

Medo e ressentimento

As pessoas muitas vezes demonstram resistência a pessoas e ideias que representam diferenças e mudanças e desafiam seu modo de vida ou visão do mundo. O medo e o ressentimento surgem frequentemente quando o grupo dominante se sente excluído ou deixado para trás (por exemplo, preocupação com a possibilidade de artistas country não tradicionais “assumirem” o gênero ou com a probabilidade de colegas de trabalho negros serem promovidos devido às iniciativas tomadas sob o manto de DEI).

Resposta ao tratamento exclusivo

A exclusão tem impacto negativo na produtividade, colaboração e no potencial de inovação. Embora o ideal seria impor comportamentos inclusivos e acolhedores em todos os locais de trabalho, sabemos que isto não é realista. Assim, diante da exclusão, quais são suas opções de resposta?

Sair da conversa

Em outras palavras, escolha suas batalhas. Embora a experiência do CMA Awards tenha permanecido na mente de Beyoncé, ela não respondeu diretamente na época. Em vez disso, ela deu andamento à promoção de seu álbum de 2016, “Lemonade”, e à produção e lançamento de seu álbum de 2022, “Renaissance”, ambos os quais estrearam em primeiro lugar na parada Billboard 200 e, posteriormente, ganharam o disco de platina. Em vez de buscar se incorporar a espaços onde havia sido rejeitada, Beyoncé ampliou sua representação na cultura negra.

Em ambientes de trabalho tradicionais, este tipo de resposta ao comportamento não inclusivo pode incluir pedir para ser transferido para um projeto ou equipe diferente onde você será mais valorizado, tentar evitar ou minimizar o contato com a pessoa ou grupo em questão ou tomar nota da experiência negativa, mas não a abordar diretamente no momento, mas sim, canalizar sua energia para relacionamentos profissionais mais afirmativos e para a realização do trabalho.

Continua depois da publicidade

Busque mudar o sistema

Com o passar do tempo, a Beyoncé começou a organizar uma resposta à reação negativa do CMA Awards nos bastidores, compondo canções em parceria com muitos artistas country, dentre as quais quatro mulheres negras cujo trabalho já existente ela queria promover (Tanner Adell, Tiera Kennedy, Brittney Spencer e Reyna Roberts) e lendários artistas brancos, como Dolly Parton e Willie Nelson.

No local de trabalho, você pode falar diretamente com a pessoa que o excluiu ou com o líder da sua equipe sobre a experiência, relatar a ocorrência ao departamento de recursos humanos e se certificar de que ela está documentada, pedir à sua organização que estabeleça um plano para impedir que aconteça com outros ao apoiar um conselho DEI e recrutar líderes seniores influentes para defender a necessidade da implementação de políticas e práticas inclusivas.

Crie sua própria trilha

Às vezes, a melhor resposta é mostrar que é possível superar os limites de uma organização, mercado ou setor. Em sua resposta paciente e oportuna ao enfrentamento da exclusão, Beyoncé modelou a inovação inclusiva, misturando não apenas o velho e o novo country, mas também contribuições de artistas de R&B, gospel, pop, rock e rap, como Post Malone. O trabalho que resultou deste processo ressoou com muitos: como seus álbuns anteriores, “Cowboy Carter” estreou no primeiro lugar da Billboard 200 e estabeleceu recordes de streaming na Amazon e no Spotify.

Em sua vida profissional, “criar sua própria trilha” envolverá explorar sua autenticidade e pontos fortes, reenquadrar sua marginalidade e, depois, se mobilizar para gerar novas ideias e modelos de negócio que expandam o terreno para si e para os outros.

Embora não exista uma abordagem única para lidar com a exclusão, a jornada de Beyoncé desde a reação negativa no CMA Awards até “Cowboy Carter” revela que há opções. Todos deveríamos encontrar inspiração em sua abordagem estratégica: de deixar os ataques acontecerem no momento até encontrar colaboradores interessados em diversificar o gênero e desenvolver seu próprio empreendimento Queen Bey no gênero country. Durante o processo, ela considera o impacto mais amplo que seu trabalho tem sobre aqueles que a admiram e seguem seus passos. Você pode fazer o mesmo em seu ambiente de trabalho.

Fonte: clique aqui.

Você bem informado!

COMMENTS